domingo, março 7

YouTube anuncia fechamento do Space e aposta em eventos temporários

O YouTube anunciou nesta sexta-feira (19) que não vai reabrir os Spaces após o fim da pandemia do novo coronavírus. Os espaços voltados a criadores de conteúdo, com cenários e equipamentos profissionais, já não estavam funcionando desde o início do estado de isolamento social em todo o mundo, e agora, serão substituídos por iniciativas temporárias e eventos virtuais, cujos detalhes ainda não foram revelados.

Presentes em sete cidades do mundo, incluindo o Rio de Janeiro (RJ), os YouTube Spaces eram locais dedicados não apenas à produção de conteúdo em si, mas também ao networking entre criadores e realização de cursos ou palestras. O acesso era gratuito a quem trabalha com a plataforma, incluindo até mesmo o uso de cenários, equipamentos e suporte ao desenvolvimento de materiais, desde que seguissem certos critérios, como ter um mínimo de 10 mil inscritos e não pertencer a uma marca comercial.

A opção pelo modelo híbrido, segundo o YouTube, já vinha desde 2019, quando o serviço começou a realizar eventos em mais lugares, além do próprio Spaces, bem como outras iniciativas regionais de suporte aos criadores de conteúdo. O fechamento motivado pela pandemia do novo coronavírus, que também atingiu as unidades na Alemanha, Inglaterra, EUA, França e Japão, aceleraram essa mudança, enquanto a recepção aos encontros digitais também ajudou nesse direcionamento.


Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.

De acordo com o YouTube, mais de 70 mil pessoais, de 145 países, participaram dos eventos virtuais da marca apenas em 2020, após o fechamento das unidades físicas. E nos quatro anos anteriores a isso, 45 eventos pop-up da plataforma reuniram 15 mil criadores em dezenas de cidades do mundo, com o serviço, agora, querendo mais e voltando seu foco, justamente, a atividades desse tipo.

Saguão do YouTube Space no Rio de Janeiro (RJ), que não será reaberto ao fim da pandemia, assim como outras unidades em cinco países (Imagem: Divulgação/YouTube)

No sentido contrário, não é de hoje que os YouTube Spaces vêm tendo presença reduzida entre as iniciativas de educação e fomento da criação de conteúdo independente. Anteriormente, a empresa já havia fechado seus espaços em Mumbai, na Índia, e Toronto, no Canadá. A primeira localidade brasileira, em São Paulo (SP), também fechou as portas três anos após sua abertura, em 2014, quando foi substituída pela unidade do Rio de Janeiro, que não voltará a abrir após a pandemia.

Para o futuro, o YouTube prepara novos programas de desenvolvimento e financiamento de produtores de conteúdo, principalmente aqueles pertencentes a minorias, e investimento em ideias que estejam em ascensão nos países em desenvolvimento. Além disso, como já foi falado, seguem adiante os workshops e eventos ao vivo ou gravados e, quando reunir pessoas em um mesmo ambiente for seguro novamente, retornam também os acontecimentos presenciais em diferentes cidades do mundo, bem como as iniciativas temporárias de suporte aos criadores.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech: