Press "Enter" to skip to content

Usar óculos ajuda a se prevenir contra COVID-19?

Na China, pesquisadores especializados em COVID-19 perceberam que poucos pacientes internados com a doença usavam óculos, o que acabou por intrigá-los: seria essa uma “tendência” relacionada ao uso do acessório? E se os óculos pudessem funcionar como uma proteção a mais contra o coronavírus? A hipótese culminou em um estudo publicado na revista científica JAMA Ophthalmology.

Power BI para Investidores

Em um hospital localizado em Suizhou, na China, 276 pacientes foram admitidos em um período total de 47 dias e apenas 16 deles, o equivalente a menos de 6%, possuíam alguma condição que exigia o uso de óculos de grau. Para efeito de comparação, mais de 30% de pessoas com idades similares residentes da região precisa de óculos para miopia.

“Usar óculos é algo comum entre indivíduos da China em todas as idades. No entanto, desde o surto da COVID-19 em Wuhan em dezembro de 2019, observamos que poucos pacientes com óculos foram admitidos nos hospitais”, diz um dos autores do estudo sobre o assunto, o que pode indicar que pessoas que usam óculos de grau estão menos suscetíveis a serem contaminados pelo SARS-CoV-2.


Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!

Ainda é cedo, porém, para tirar conclusões definitivas sobre a pesquisa, inclusive para recomendar as pessoas que passem a usar óculos como forma extra de proteção junto à máscara e a higienização das mãos. Existe a possibilidade de que o acessório barre as gotículas que são liberadas em tosses e espirros e evite o contato delas com os olhos, ou ainda que as pessoas que usam óculos sejam menos prováveis a levar as mãos ao rosto.

Reprodução: Simon Ma/Unsplash

Há cinco anos, um estudo sobre tocar o rosto com as mãos descobriu que, durante o período de uma hora, um estudante assistindo a uma aula toca o nariz, boca e olhos pelo menos 10 vezes. Porém, a pesquisa não mencionou o uso de óculos como comparação.

De acordo com a especialista em doenças infecciosas e professora de medicina associada da Escola de Medicina do Johns Hopkins, Lisa Maragakis, em comentário sobre o estudo, a interpretação dos resultados obtidos precisa ser feita o quanto antes. Entre as preocupações está o fato de a pesquisa ser considerada pequena por ser feita com apenas 300 casos de COVID-19, além de a comparação ter sido feita também com dados de um estudo de décadas atrás.

Maragakis observou ainda que existem outros fatores que podem invalidar os resultados do estudo, como a possibilidade de que as pessoas mais velhas sejam as que mais usam óculos, sendo também as mais propensas a ficar em casa em um cenário de doença contagiosa. Há também a possibilidade de que quem consiga comprar óculos tenha um estilo de vida que não as obriguem a estar em locais lotados.

Alguns profissionais de saúde já usam óculos de proteção junto às máscaras, justamente para prevenir o contato com gotículas de tosse e espirro de pacientes, além de partículas de aerossóis que são formadas em pessoas que passam por alguns processos como a intubação. Para Maragakis, o estudo precisa ser mais aprofundado e considerar outras populações.

Outra questão a ser levada em conta e que precisa de estudo é sobre o quanto os olhos podem ser a porta de entrada para o coronavírus. Em relação a outros vírus e germes, já foi estabelecido que as membranas dos olhos, assim como a boca e o nariz, podem receber uma contaminação, mas sobre o SARS-CoV-2 é preciso de mais pesquisa, uma vez que ele invade o trato respiratório.

Sintomas oculares

Por mais que ainda não haja uma confirmação de que o coronavírus entre no organismo pelos olhos, já foram relatados casos de pacientes com COVID-19 que ficaram com conjuntivite, e vários estudos já mostraram que problemas nos olhos podem ser sinais de contaminação pela doença.

Em agosto, uma pesquisa mostrou que entre 216 crianças hospitalizadas com a doença em Wuhan, 49 delas tinham sintomas oculares, como secreção conjuntival e coceira. Já foram relatados também sintomas como visão turva, lacrimejamento excessivo, entre outros.

 

 

 

 

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Mission News Theme by Compete Themes.