Press "Enter" to skip to content

Simone Biles irá depor no Senado em investigação de abuso sexual

As ginastas olímpicas norte-americanas Simone Biles e Aly Raisman vão prestar depoimento nesta quarta-feira sobre o abuso sexual que sofreram nas mãos do médico de ginástica dos EUA Larry Nassar, conforme o Senado dos EUA avalia por que o FBI fracassou na investigação dos crimes.

Seu dinheiro está seguro? Aprenda a proteger seu patrimônio

Biles e Raisman comparecerão ao Comitê Judiciário do Senado ao lado da ex-companheira de equipe olímpica McKayla Maroney e da ex-ginasta Maggie Nichols, que foi a primeira vítima a denunciar o abuso à USA Gymnastics.

A audiência acontece depois que o inspetor-geral do Departamento de Justiça, Michael Horowitz, divulgou em julho um relatório contundente em que criticou o FBI por comprometer sua investigação em uma série de erros que permitiram que o abuso continuasse por meses.

Horowitz também irá depor na quarta-feira, assim como o diretor do FBI Chris Wray, que deve enfrentar severos questionamentos bipartidários sobre por que os agentes que prejudicaram a investigação nunca foram processados ​​por sua má conduta.

A investigação do FBI sobre Nassar começou em julho de 2015, depois que o presidente da USA Gymnastics, Stephen Penny, relatou as alegações ao escritório do FBI em Indianápolis e forneceu aos agentes os nomes de três vítimas dispostas a serem interrogadas.

Esse escritório, então liderado pelo agente especial responsável W. Jay Abbott, não abriu formalmente uma investigação. O FBI interrogou apenas uma testemunha meses depois, em setembro de 2015, e não documentou formalmente essa entrevista em um relatório oficial conhecido como “302” até fevereiro de 2017 – bem depois que o FBI prendeu Nassar sob a acusação de posse de imagens sexualmente explícitas de crianças em dezembro de 2016.

O escritório também não compartilhou as alegações com as agências locais ou estaduais de segurança.

O FBI anteriormente chamou o comportamento de Abbott de “terrível” e disse que o agente especial de supervisão permanece com o FBI, mas não é mais um supervisor e “não está trabalhando em mais nenhum assunto do FBI”.

Nassar, que foi médico principal das ginastas olímpicas, foi condenado em 2017 a 60 anos de prisão sob a acusação de posse de material de abuso sexual infantil.

No ano seguinte, ele também foi condenado a 175 e 125 anos, respectivamente, em dois tribunais separados em Michigan, por molestar ginastas sob seus cuidados. Os promotores estimam que ele agrediu sexualmente centenas de mulheres.

Mission News Theme by Compete Themes.