Press "Enter" to skip to content

Podemos almejar “bastante mais” em redução de compulsório, mas processo tem que ser seguro, diz diretor do BC

BRASÍLIA (Reuters) – O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, afirmou nesta quarta-feira que a alíquota efetiva de compulsório já é hoje por volta da metade do que era em 2019, destacando que é possível “almejar bastante mais dessa agenda”, mas que o processo tem que ser seguro.

Power BI para Investidores

Ao participar de congresso sobre gestão de riscos organizado pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos), ele frisou que o aprimoramento das linhas financeiras de liquidez e a redução estrutural dos recolhimentos compulsórios já estavam na agenda institucional do BC antes mesmo da crise de coronavírus, e são medidas intimamente ligadas.

Serra destacou que a partir de 16 de novembro será colocado de pé projeto mais estruturante para Linha Financeira de Liquidez (LFL), que será mais eficiente em termos de tecnologia do que a medida nessa direção instituída durante a crise do coronavírus (LTEL-LFG).

As LFL serão instituídas na forma de empréstimo contra uma cesta de garantias, começando com debêntures e notas comerciais. Este é um universo restrito de ativos, reconheceu Serra, mas a ideia é que novos ativos sejam incorporados depois e “relativamente rápido”.

Segundo o diretor, a agenda evolutiva para as LFL deve incluir módulo de leilão e priorização de CCB (Cédulas de Crédito Bancário) entre ativos elegíveis. O BC também estuda como inserir formas de ativos sustentáveis nesse escopo, indicou ele.

(Por Marcela Ayres)

O post Podemos almejar “bastante mais” em redução de compulsório, mas processo tem que ser seguro, diz diretor do BC apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Mission News Theme by Compete Themes.