Press "Enter" to skip to content

Nova linhagem do coronavírus foi descoberta no Rio de Janeiro

Vírus vivem em constante mutação — inclusive o novo coronavírus (SARS-CoV-2). No cenário da pandemia da COVID-19, algumas variações da cepa original já foram identificadas, como aconteceu recentemente no Reino Unido. Agora, pesquisadores brasileiros verificaram a existência de uma nova variação também aqui no país, mais especificamente no Rio de Janeiro.

Coordenada por cientistas da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e do LNCC (Laboratório Nacional de Ciência da Computação), estudo genômico sobre o coronavírus identificou uma nova linhagem. Essa nova variação se originou da linhagem B.1.1.28 e, até o momento, é composta por cinco mutações do coronavírus.

Pesquisadores do Rio de Janeiro identificaram uma nova variação do coronavírus no estado (Imagem: Fernando Zhiminaicela/ Pixabay)

De acordo com os pesquisadores, essa nova linhagem do coronavírus não é mais agressiva e nem mais contagiosa que as outras variantes já identificadas. Além disso, não há nenhum indício de que essa mutação resista às vacinas contra a COVID-19.


CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.

Variação do coronavírus no RJ

Dos 180 genomas virais analisados pelo grupo de pesquisadores, vindos de diferentes municípios do Rio de Janeiro, a nova variação foi identificada em 38 deles. De acordo com a pesquisadora Ana Tereza Ribeiro de Vasconcelos, geneticista e coordenadora do LNCC, o surgimento da nova linhagem ocorreu em julho de 2020 e ela foi registrada, principalmente, em Cabo Frio, Niterói e Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

“Não temos evidências de que essa mutação represente um perigo maior. Mas ela mostra que o coronavírus circula com intensidade no estado, que as medidas de distanciamento social e a vigilância são fundamentais”, comentou a geneticista para o jornal O Globo.

“Salientamos que não há motivo para pânico. Vírus estão sujeitos a mutações. A identificação dessa linhagem mostra que devemos intensificar a testagem e a vigilância genética. A descoberta também evidencia a importância das medidas de distanciamento social e o uso de máscara”, pontuou Amilcar Tanuri, um dos cientistas envolvidos na pesquisa genética.

Financiada pela Faperj e Ministério da Ciência e Tecnologia, a pesquisa ainda aguarda publicação em uma revista científica.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Mission News Theme by Compete Themes.