Press "Enter" to skip to content

NASA propõe acordo para que cosmonautas voem à ISS com a nave Crew Dragon

A NASA já agendou os próximos dois lançamentos da nave Crew Dragon, da SpaceX, para levar seus astronautas à Estação Espacial Internacional (ISS) em 2021, e pode ser que um deles inclua pelo menos um cosmonauta a bordo. A agência espacial estadunidense enviou a proposta de colaboração mútua ao Departamento de Estado dos EUA para revisão e aprovação e, em seguida, um procedimento semelhante ocorrerá no governo russo.

Caso ambos países aprovem a ideia, cosmonautas poderão voar em espaçonaves norte-americanas — que também inclui a Starliner, da Boing, ainda em desenvolvimento — e os astronautas da NASA poderão voltar a viajar em naves Soyuz, da Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos). Essa colaboração garante que a ISS tenha sempre tripulantes das duas nações, o que é fundamental para operação dos módulos estadunidenses e russos.

Lançamento da Crew-1 no foguete Falcon 9 (Imagem: Reprodução/NASA)

O acordo também daria o direito à NASA de voltar a ocupar assentos na Soyuz sem ter que pagar por isso. Durante a última década, desde o encerramento do programa do ônibus espacial, a NASA utilizava as naves russas para enviar seus astronautas ao espaço, mas isso custava caro. Em média, a NASA pagou à Roscosmos US$ 55,4 milhões por assento, sendo que, desde 2017, o preço dos russos subiu para uma média de US$ 79,7 milhões.


Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.

Por outro lado, a Roscosmos já declarou que não voaria em uma nave americana até que houvesse voos o suficiente para comprovar a eficácia e segurança do veículo. A NASA já realizou dois lançamentos tripulados com a Crew Dragon, que foi oficialmente certificada após um lançamento de testes de maio deste ano. A próxima missão será a Crew-2, programada para março de 2021. Mas somente na Crew-3 um dos astronautas poderá ser russo.

Se tudo der certo, astronautas de parceiros internacionais, incluindo o Japão, países da Europa e o Canadá, também poderão ocupar um dos três lugares na Soyuz no final de 2021. Atualmente, a ISS tem sete tripulantes a bordo, sendo que três foram enviados pela nave russa e quatro pela Crew Dragon.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Mission News Theme by Compete Themes.