Press "Enter" to skip to content

IRB: dados de julho dão sinal de que pior já passou, mas analistas ainda se dividem sobre futuro das ações na B3

SÃO PAULO – Pouco menos de um mês após divulgar números do segundo trimestre que não agradaram os investidores, o IRB Brasil RE (IRBR3) viu as suas ações dispararem até 12,70% na Bolsa na sessão em meio a dados de julho que podem trazer mais luz para os ativos da resseguradora. Os papéis fecharam em alta de 9,57%, a R$ 6,30.

Segundo dados não auditados e enviados à Superintendência de Seguros Privados (Susep), a companhia registrou um prejuízo líquido de R$ 62,4 milhões em julho, conforme informou nesta quarta-feira (23) ao mercado.

Além de ser um prejuízo bem menor do que os R$ 292,6 milhões registrados no mês anterior, a companhia ainda abriu os números mostrando o impacto dos negócios descontinuados.

Excluindo essas operações, o mês de julho registraria lucro líquido R$ 36 milhões, dado este que animou o mercado, conforme aponta Carlos Daltozo, co-head de Renda Variável da Eleven Financial. De acordo com o analista, havia uma incerteza sobre o impacto das operações descontinuadas fizessem efeito nos números da empresa. Agora, apresentado esse resultado, a sinalização é de que o pior pode ter ficado para trás para a resseguradora.

Os números também animaram uma vez que, segundo mensagem apresentada pela própria direção da companhia, ela só atingiria o “breakeven” (ponto que indica que os custos são iguais aos ganhos) a partir de setembro, com algumas melhores graduais mês a mês ao longo do terceiro trimestre. Neste sentido, apesar dos números ainda fracos, há sinais de que ela está melhorando, conforme aponta análise do Brasil Plural.

Também em destaque, o faturamento bruto em julho (prêmio emitido) somou R$ 1,5 bilhão, alta de 100,8% em relação ao mesmo período de 2019, sendo R$ 1 bilhão no Brasil e R$ 531 milhões no exterior – expansões respectivas de 133% e 58,8%.

“O crescimento em julho de 2020, decorre da renovação, com crescimento de coberturas, de um contrato no segmento de petróleo emitido no mês”, afirmou a resseguradora em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A despesa de sinistro foi de R$ 638,3 milhões, com um índice de sinistralidade de 97,1% no mês de julho, revertendo a tendência observada no primeiro semestre de 2020, que apresentou uma sinistralidade de 108%. Quando excluídos os sinistros dos negócios não continuados, o índice fica em 73,2%.

Já para o Credit Suisse, apesar da melhora sequencial, as operações descontinuadas continuarão a pesar sobre os resultados por um bom tempo. Os analistas do banco seguem com recomendação underperform (desempenho abaixo da média) para os ativos IRBR3, apesar do preço-alvo de R$ 7,50 indicar um potencial de valorização de quase 30% em relação ao fechamento da véspera.

Vale ressaltar que, desde a última atualização do banco no final de agosto (durante a divulgação de resultado), justamente quando estavam cotados a R$ 7,50, até a sessão da véspera, os papéis caíram mais de 23%.

No ano, o IRB registra a maior queda do Ibovespa, com baixa de mais de 80%, em um 2020 marcado por uma tempestade perfeita na Bolsa ao ser alvo de cartas da gestora Squadra apontando uma série de “inconsistências” no balanço da companhia, além de polêmicas envolvendo a saída de Ivan Monteiro do Conselho, a polêmica envolvendo a suposta participação da Berkshire Hathaway em ações IRBR3 (desmentidas posteriormente pelo veículo de investimentos de Warren Buffett) e até ações da Polícia Federal (veja mais aqui).

Desde então, a nova gestão da companhia tem buscado mais transparência com os investidores e analistas e não tem negado que o caminho será árduo.

Porém, apesar do cenário incerto, Daltozo avalia que o atual patamar de negociação de ações, abaixo dos R$ 6,93 da operação de aumento de capital recente, é altamente especulativo e visto pelo analista como uma reação exagerada do mercado.

O analista ressalta que a companhia limpou o balanço e, quando resolver a pendência de liquidez regulatória com a Susep (veja mais clicando aqui), essa pode ser uma sinalização ainda mais efetiva de retomada da companhia. Vale ressaltar que, em teleconferência dos resultados do segundo trimestre, a companhia descartou uma segunda oferta de ações para lidar com a insuficiência de liquidez com a reguladora do setor.

A avaliação é de que, somente com a realização de recebíveis, o IRB poderia levantar cerca de R$ 500 milhões. Além disso, a empresa pretende se desfazer de ativos não financeiros que não se enquadram na categoria de ativos de liquidez.

A Eleven Financial possui recomendação de compra para os ativos IRBR3, com preço-alvo de R$ 20 ao final de 2021, 248% frente o fechamento da véspera. Daltozo ressalta que, obviamente, o retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) da companhia não vai voltar a ser os de 40% observados antes das polêmicas sobre o IRB virem à tona, já que eram baseados em dados errôneos, mas veem o ROE próximo da casa dos 20%. “Lógico que será um retorno gradual, mas deve haver uma retomada, ainda mais considerando as vantagens competitivas da companhia”, aponta o analista.

Porém, ele destaca que ainda há um grau de desconfiança grande no mercado sobre os possíveis “esqueletos no armário”, uma vez que ainda existe pouca visibilidade sobre a possível rentabilidade dos contratos da resseguradora. O mercado ainda tem muitas dúvidas sobre o patamar de ROE do IRB.

O Brasil Plural, por sua vez, possui recomendação equalweight (exposição em linha com a média do mercado) para os ativos, com preço-alvo de R$ 5,75 (upside de 30%).

A divisão do mercado se traduz na compilação das visões das casas de análise, segundo dados da Refinitiv, com 3 recomendando compra, 3 manutenção e 2 venda. Enquanto há quem destaque o potencial de recuperação com a companhia ajeitando a casa, há também quem espere para ver mais dados antes de ficar mais otimista com o IRB. Os dados de julho, a princípio, deram um bom sinal.

Do Zero ao Gain: intensivo gratuito de 4 dias com André Moraes ensina como extrair seu primeiro lucro na Bolsa. Clique aqui para se inscrever

The post IRB: dados de julho dão sinal de que pior já passou, mas analistas ainda se dividem sobre futuro das ações na B3 appeared first on InfoMoney.

Mission News Theme by Compete Themes.