sábado, fevereiro 27

Ibovespa futuro despenca mais de 4% com temores sobre ingerência em estatais

O Ibovespa futuro despenca mais de 4% nos primeiros minutos de pregão desta segunda-feira, 22, com os investidores receosos sobre a interferência do governo em estatais e com temores de que a agenda liberal do ministro Paulo Guedes vá por água abaixo com a inclinação considerada “populista” do presidente Jair Bolsonaro. Há dúvidas sobre a própria permanência de Guedes.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

No pré-mercado americano as ADRs da Petrobras despencam mais de 16% como reação à demissão do então presidente da companhia Roberto Castello Branco na noite de sexta-feira, 19. Para seu lugar, Bolsonaro indicou o general Joaquim Silva e Luna, que estava no comando da Itaipu. No último pregão as ações da companhia já haviam caído cerca de 7% com temores sobre a saída do executivo, confirmada após o encerramento dos negócios.

Também há preocupações sobre outras estatais. Isso porque, no fim de semana, Bolsonaro sinalizou novas trocas e afirmou que nesta semana “tem mais.

Indicando interferência na Eletrobras (ELE3/ELET6), o chefe do Executivo também chegou a dizer que irá “meter o dedo na energia elétrica”. Já o Banco do Brasil corre o risco de perder eu presidente, André Brandão, que segundo a coluna de Lauro Jardim, do O Globo, não deve ter contrato renovado em março.

Com a nova roupagem do governo, investidores temem que não só as estatais sejam atingidas negativamente, mas como toda a economia brasileira, com a agenda de reformas ameaçada.

Parte dessa preocupação se materializa no mercado de câmbio, com o dólar subindo 2,5% e o real tendo a pior performance entre as principais moedas emergentes. Já os juros futuros com vencimento em 2027 disparam 4%  com investidores precificando juros acima de 7,6%.