Press "Enter" to skip to content

IA deixa robôs que trabalham em bandos mais inteligentes com o passar do tempo

A startup chinesa Geek+ desenvolveu robôs capazes de trabalhar em bandos e que ficam mais “inteligentes” enquanto desempenham suas tarefas. Eles conseguem encontrar o próprio caminho utilizando um algoritmo de aprendizagem de máquina que ajusta o trajeto e melhora o desempenho a cada ciclo de operação.

Robôs “burros” desenvolvidos nos EUA se unem para trabalhar melhor Amazon fará competição para encontrar o melhor robô-operário China quer construir um império de robôs para trabalhar em suas fábricas

Os androides “trabalham” em um depósito de Hong Kong, na China, 24 horas por dia, sete dias por semana sem descanso. Enquanto se movem pelo local, são guiados por códigos QR espalhados pelo chão. Por meio de inteligência artificial (IA), eles são capazes de tomar as próprias decisões, identificando qual direção devem seguir e o melhor caminho até o destino final.

“É aqui que o verdadeiro aprendizado acontece. Um enorme enxame de robôs passeia pelo chão, transportando mantimentos e outros suprimentos sem parar, a cada hora do dia, todos os dias da semana, em um movimento coordenado e altamente eficiente”, comemora o diretor da Geek+, Lit Fung.


Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.

 

Inteligência compartilhada

Os robôs-operários digitalizam os códigos QR na superfície do armazém enquanto passam por cima deles, mas são os engenheiros que refinam e aprimoram o algoritmo responsável pela movimentação precisa dos androides. Os bots precisam apenas utilizar esse banco de dados para escolher o próprio caminho de forma autônoma.

À medida que o tempo passa, os robôs se tornam mais capazes de realizar tarefas de forma otimizada, sem a ajuda de um operador humano. A rede neural convolucional faz com que os androides consigam encontrar atalhos e redefinir rotas em tempo real, levando em conta o tipo de material transportado, tamanho e peso da carga.

“Com essa estratégia, temos a capacidade de tomar a decisão pelo próprio robô, mas é ele quem faz o julgamento da direção, avançando, retrocedendo e encontrando o melhor caminho durante os turnos de trabalho. Os dados que um robô coleta ajudam a aperfeiçoar o desempenho de todo o grupo”, explica Fung.

 

Resultados animadores

A companhia diz que já tem mais de 15 mil robôs em operação em cerca de 30 países, espalhados por todos os continentes. Segundo os executivos, esse sistema de IA tem ajudado os consumidores que compram on-line e esperam por entregas mais rápidas sem ter que sair de casa.

Desde fevereiro deste ano, o depósito automatizado de Hong Kong já entregou mais de um milhão de produtos para lojas chinesas. Outras empresas como Decathlon, Amazon e Alibaba também apostam nos robôs inteligentes para aumentar a eficiência em seus centros de distribuição.

“As pessoas poderem fazer os seus pedidos e a encomenda chegar de uma forma absurdamente rápida, às vezes até no mesmo dia, não seria possível sem que houvesse uma IA automatizando a logística e otimizando o trabalho em depósitos e armazéns de grandes companhias”, encerra o professor de ciência da computação da Universidade de Hong Kong, De Kai, que ajudou na implantação do projeto.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

10 séries de comédia dos anos 2000 que você precisa assistir Conheça os aviões particulares dos bilionários da tecnologia Os 10 filmes mais pirateados da semana (20/06/2021) Fuchsia OS: tudo o que sabemos sobre o misterioso sistema operacional do Google Os melhores lançamentos de filmes e séries para assistir online (19/06/2021)

Mission News Theme by Compete Themes.