Press "Enter" to skip to content

Grupos de Pix no WhatsApp viralizam, mas podem ser pirâmide

O Pix permite que transferências sejam feitas a qualquer momento e sem taxas. Não causa surpresa que essa conveniência seja explorada por quem tenta obter dinheiro fácil. Prova disso é que, nas redes sociais, “grupos de Pix” via WhatsApp estão ganhando força. É preciso ter cuidado: esses grupos podem corresponder a pirâmides ou esquemas parecidos.

Pix terá mecanismo para reembolso em caso de erro ou fraude
Pix supera 2 bilhões de transações e movimenta mais de R$ 1 trilhão

Grupo de Pix divulgado no Instagram (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Aparentemente, a ideia começou a ser divulgada no TikTok, mas logo chegou às demais redes sociais. Buscas rápidas por “grupo de Pix” no Twitter e no Instagram, por exemplo, retornam numerosas postagens tratando do assunto.

Embora possa haver uma variação entre um grupo e outro, todos seguem o mesmo princípio: uma pessoa cria um grupo no WhatsApp e convida participantes; porém, cada membro só é adicionado após fazer um Pix para o administrador do grupo.

A maioria dos grupos requer do participante uma transferência via Pix no valor de R$ 1. Também há grupos que fixam o Pix em R$ 2 e, com menos frequência, em valores superiores.

Depois de fazer o Pix, o participante entra no grupo como administrador e, a partir daí, pode recrutar outras pessoas. Estas devem fazer um Pix ao participante que enviou o convite, também entram como administradores após a transferência, devem recrutar mais gente na sequência para “lucrar” e assim o ciclo se repete.

Perceba que esse esquema segue a lógica das pirâmides, quando uma pessoa paga determinado valor para entrar e deve indicar uma quantidade de membros para obter o retorno esperado. Em certo momento, o número de participantes é tão grande que o esquema quebra, deixando boa parte deles com prejuízo.

No WhatsApp, participantes que atingem a meta de convidados costumam sair do grupo e partem para outros. Mesmo assim, não é difícil o esquema ruir rapidamente: o serviço só permite 256 membros em cada grupo. Via de regra, o grupo é encerrado quando esse limite é atingido.

Divulgação de grupo de Pix no Twitter (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Pirâmide é crime

Como os grupos de Pix fixam valores baixos, muita gente topa participar por acreditar que o prejuízo vai ser pequeno se o retorno esperado não for obtido. Um dos problemas desse pensamento é que, em esquemas de pirâmides, o número de pessoas que saem perdendo é maior do que o de indivíduos que ganham alguma coisa.

O detalhe mais importante: no Brasil, esquemas de pirâmides são considerados crimes contra a economia popular (lei º 1.521/51). O transgressor pode receber pena de multa e detenção.

Não é por acaso que o Banco Central se manifestou a respeito. Ao Poder360, a instituição alertou:

Desconfie sempre que uma oferta parecer boa demais para ser verdade, como ganhar muito dinheiro chamando pessoas para transferirem dinheiro sem motivo algum e ganhar uma parte desses valores. Nesse caso, não entre nessa e denuncie o esquema para a autoridade policial, que tem a competência legal para coibir esse tipo de crime.

Banco Central

É preciso mesmo ficar atento. Esquemas do tipo podem inclusive ter variações. Há, por exemplo, grupos no WhatsApp que exigem que os participantes paguem R$ 1 via Pix e prometem sortear o total arrecadado no final do dia. Obviamente, não há nenhuma garantia de que isso será feito.

Grupos de Pix no WhatsApp viralizam, mas podem ser pirâmide

Mission News Theme by Compete Themes.