Press "Enter" to skip to content

“Faraó dos Bitcoins” tem pedido de liberdade negado pelo STJ

O ex-garçom Glaidson Acácio dos Santos, conhecido pela alcunha de “Faraó dos Bitcoins”, teve pedido de liberdade negado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

7 dicas para não cair em golpes de pirâmides financeiras online Polícia Federal prende dono de empresa acusada de fraude bilionária com Bitcoins Cuidado! Novo golpe usa Pix Agendado como isca para induzir depósito das vítimas

Glaidson é dono da G.A.S Consultoria, empresa localizada em Cabo Frio, no Rio de Janeiro, e foi preso no dia 25 de agosto por suspeita de operar um esquema de pirâmide financeira. Ele é investigado por crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, lavagem de capitais e participação em grupo criminoso.

O “Faraó dos Bitcoins” ganhava pouco mais de R$ 800 como garçom em Búzios, na Região dos Lagos, no Rio, mas desde março de 2015, quando abriu sua primeira empresa, a G.A.S Consultoria e Tecnologia LTDA, a empresa foi responsável pela movimentação de mais de R$ 2 bilhões. Ele também é dono de outras quatro companhias, localizadas no Rio de Janeiro e em São Paulo que, somadas, têm capital social avaliado em R$ 136 milhões.


Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.

Na decisão que manteve o ex-garçom preso, o desembargador Jesuíno Rissato aponta indícios de movimentações financeiras atípicas que chegariam a bilhões de reais e a existência de valores que estariam sendo enviados para fora do país, em uma possível tentativa de ocultar o patrimônio investigado. O juiz também considerou o potencial risco de fuga dos investigados e a possibilidade de lesão irreversível aos investidores por clientes insatisfeitos.

A defesa de Glaidson, segundo o STJ, no pedido de liberdade, questionou a competência da Justiça Federal para tratar do caso e também alegou que o mercado de criptomoedas não integra o Sistema Financeiro Nacional, fazendo com que as acusações pela qual o “Faraó dos Bitcoins” responde não se configurarem como crimes.

Entendendo a pirâmide de Bitcoin

O esquema de pirâmide operado por Glaidson prometia lucros de 10% ao mês nos investimentos em bitcoins durante dois anos, sem poder retirar o aporte antes do fim do prazo. Os investigadores, porém, afirmam que a G.A.S nem sequer reaplicava o dinheiro em criptomoedas com os lucros, na verdade, sendo pagos a clientes através da entrada de capital de outras pessoas atraídas pela proposta de investimento.

Glaidson Acácio dos Santos (Imagem: Reprodução/ CanalKell Tube)

Nos últimos seis anos, segundo investigação da Polícia Federal, a movimentação financeira das empresas envolvidas nas fraudes apresentou cifras bilionárias, sendo que pelo menos 50% desses valores foram movimentados nos últimos 12 meses.

Glaidson foi preso no dia 25 de agosto na operação Kryptos, executada em conjunto pelo Ministério Público Federal (MPF), Receita Federal e Polícia Federal. Na busca e apreensão realizada em sua casa, foram encontrados mais de R$ 13,8 milhões em dinheiro vivo, R$ 150 milhões em Bitcoins, armazenados em carteiras físicas de criptomoedas e 21 carros de luxo, entre eles veículos das marcas BMW e Porsche.

Desde a prisão de Glaidson, mais de 11 clientes da consultoria entraram na justiça do Rio de Janeiro pedindo para que os bens da companhia sejam bloqueados. Pelo menos 5 dessas ações obtiveram pareceres favoráveis, já somando um montante arrestado R$ 290 mil.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Marvel mostra de forma criativa como as garras de Wolverine podem matar o Hulk Apple reduz preço do iPhone 12 e 11 em até R$ 1.500; iPhone XR é descontinuado 32 apps e jogos temporariamente gratuitos para Android nesta terça (14) WhatsApp perderá suporte em 43 celulares em novembro; veja se o seu é um deles Xiaomi deve lançar novo notebook gamer barato ainda neste mês

Mission News Theme by Compete Themes.