quinta-feira, março 4

Executivos da própria empresa estão surpresos com o sucesso do Disney+

Desde que que a Disney passou a ofertar sua vasta biblioteca e novos conteúdos originais em sua própria plataforma de streaming, a Netflix ganhou um concorrente que realmente pode disputar a liderança mundial do setor. Apoiado em atrações exclusivas de franquias populares, a exemplo de The Mandalorian, de Star Wars; e de WandaVision, da Marvel Studios, o Disney+ aos poucos vem entendendo melhor seu público e distribuindo seus títulos de forma adequada — como o serviço Star, que agrega filmes e séries direcionados à audiência adulta.

E, embora ainda não tenha uma interface tão dinâmica e regionalizada como a da Netflix, o Disney+ tem crescido bastante, tanto em popularidade quanto em número de pagantes. Segundo o diretor-executivo da Walt Disney Company, Bob Chapek, a projeção inicial da companhia era de conquistar 90 milhões de usuários mensais até 2024. E a meta foi batida antes mesmo do final de 2020, com um total de 94,9 milhões de assinantes — ou seja, apenas 13 meses após seu lançamento.

O chefão Bob Chapek (Imagem: Reprodução/Disney)

Chapek disse que isso supreendeu todos os executivos, inclusive ele mesmo. “O que não percebemos foi o apelo não familiar que um serviço como o Disney Plus teria. Na verdade, mais de 50% do nosso mercado global [de assinantes] não têm filhos; e essa é a grande diferença”, revelou, durante a Morgan Stanley Technology, Media and Telecommunications Conference.


Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/

“Quando 50% dos [assinantes do] Disney+ não têm filhos, você realmente tem a oportunidade agora de pensar muito mais amplamente sobre a natureza do seu conteúdo”, continuou, sem dar detalhes sobre o que isso pode significar para a tradição “família” da Disney. Poderíamos ter todos os títulos adultos, como Logan e Deadpool, no mesmo catálogo no futuro? Ou vermos os estúdios ousando mais em seus temas? Ficam essas questões no ar.

WandaVision ajudou a aumentar o número de assinantes (Imagem: Reprodução/Disney)

Dado a esse sucesso, os analistas agora estão mais confiantes nas perspectivas sobre o Disney+ no longo prazo. E o mercado todo está confiante de que a plataforma vá mesmo abalar a liderança da Netflix em pouco tempo: uma análise do Digital TV Research, publicada no mês passado, prevê que o Disney+ ultrapassará a Netflix em 2026, com uma projeção de 294 milhões de assinantes até lá — a expectativa é de que a Netflix acumule 286 milhões de usuários mensais ativos no mesmo período.

Bom, se depender das próximas atrações, pode ser que essa tendência continue mesmo. Nos próximos meses, o Disney+ terá lançamentos de séries aguardadas, como O Falcão e o Soldado Invernal e Loki, da Marvel; e O Livro de Boba Fett, de Star Wars; além das estreias híbridas de filmes como Viúva Negra, Raya e o Dragão, Os Eternos, entre outros.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech: