Press "Enter" to skip to content

Digitalização do mercado de pets deve manter alta no pós-pandemia

Power BI para Investidores

Um levantamento recente da Comissão de Animais de Companhia (Comac), órgão do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), diz que 74% dos tutores de pets afirmaram fazer mais compras pela internet durante o período da onda de covid-19. Além disso, 90% dos ouvidos acreditam que o hábito irá continuar mesmo após a pandemia. Participaram da amostragem 750 tutores e 94 veterinários.

Animais de zoológicos dos EUA estão sendo imunizados contra a covid-19 3 dicas para você tirar a foto perfeita do seu animal de estimação Por que animais venenosos não morrem com suas próprias toxinas?

O estudo Radar Pet 2021 da Comac — que representa empresas da indústria veterinária — aponta ainda que 72% dos entrevistados passaram mais tempo usando a internet, contra 46% que responderam à pesquisa em 2020. Mesmo com o excesso de vida online, 73% afirmaram que conseguissem aproveitar mais a companhia dos seus bichinhos neste ano. Para 86%, esse tempo com eles deverá se manter mesmo após a normalização das atividades para um estágio pré-pandemia.

Outros insights interessantes da pesquisa foram:


Baixe nosso aplicativo para iOS e Android e acompanhe em seu smartphone as principais notícias de tecnologia em tempo real.

66% dos entrevistados buscaram artigos e textos online sobre medicamentos ou bem-estar voltados a animais de estimação; 66% também assistiram a vídeos e lives sobre o tema; 39% começaram a seguir algum influenciador digital ou página focada em pets; Tutores usam como meio de informação o Google (63% cães, 61% gatos), YouTube (55% cães, 58% gatos), Instagram (49% cães, 44% gatos), WhatsApp (41% cães, 38% gatos). Mas a principal fonte ainda é o veterinário (82% cães, 79% gatos).
Imagem: Reprodução/Bonnie Kittle/Unsplash

Pelo menos um terço dos tutores comprou alguma medicação veterinária pela internet na pandemia. Para a maioria, 2020 foi o ano de sua primeira compra do tipo. Entre os que ainda não compraram dessa forma, cerca de metade disse estar disposta a fazer isso no futuro próximo.

“No varejo pet brasileiro, a venda online tinha uma representatividade baixa antes da pandemia. Cerca de 3% a 5% do consumo era realizado por esse canal. Durante os meses críticos de isolamento social, houve uma aceleração muito grande das vendas através dos meios digitais. Depois dessa experiência, a maioria dos tutores deve manter o uso dos e-commerces ao adquirir produtos para seus animais”, esclarece Leonardo Brandão, coordenador da Comac.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Einstein estava errado e Big Bang não é o começo do universo, diz esta teoria Microsoft Excel resolve um dos problemas mais antigos e irritantes do programa Quem é mais inteligente, o gato ou o cachorro? Volkswagen Gol sofre novo aumento e preço fica absurdo; veja quanto custa Os 10 animais mais bonitos do mundo

Mission News Theme by Compete Themes.