terça-feira, março 2

Crítica | O Internato: Las Cumbres corrige erros em reboot de terror adolescente

 

Tramas adolescentes costumam ser de muito sucesso por diversos motivos. O principal deles é justamente por seu público-alvo nascer na geração do streaming, em que a maratona de séries é uma realidade quase diária de um grupo que não possui obrigações adultas e por isso consegue dedicar boa parte da rotina para a cultura pop. Mesmo numa década em que grandes ícones das produções adolescentes já são considerados ultrapassados, como Gossip Girl, Pretty Little Liars e The Vampire Diaries, a fórmula segue atemporal, atraindo uma legião de fãs a cada lançamento.

Em O Internato: Las Cumbres, a mais nova série da Amazon Studios, essa receita claramente é a mesma, mas pensada de uma forma que atraia os fãs de Harry Potter e das já citadas Gossip Girl, Pretty Little Liars e um dos mais recentes sucessos da Netflix: Elite. A produção não possui nada de novidade que possa torná-la um diferencial entre tantas séries atualmente, mas lida bem o suficiente com o que tem em mãos para agradar os fãs do gênero, ganhar audiência pelas recomendações dos fãs e facilmente bater de frente com o sucesso de Riverdale.

Atenção! A partir daqui o texto pode conter spoilers sobre a série O Internato: Las Cumbres. Leia por sua conta e risco.


Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O Internato: Las Cumbres é um reboot da novela espanhola de sucesso que lançou a carreira de Ana de Armas (Imagem: Divulgação / Amazon Studios)

A série chega anos após a novela que lhe deu início em formato de reboot. O Internato durou sete temporadas ao todo e foi um enorme sucesso na televisão espanhola, lançando hoje nomes de sucesso na indústria cinematográfica e televisiva, como Ana de Armas (Entre Facas e Segredos, Blade Runner 2049, 007 – Sem Tempo para Morrer) e Yon González (As Telefonistas, Gran Hotel). Dessa vez, a série chega desdobrada em apenas oito episódios em sua primeira temporada, com uma duração que não extrapola o tempo e consegue desenvolver-se bem o suficiente para sustentar a história e corrigir erros da trama antecessora, além de pincelar personagens, eventos e pontos da narrativa que precisavam de um pouco de modernidade.

Assim como a série que lhe originou, O Internato: Las Cumbres traz rostos novos para um elenco 99% jovial, com apenas um nome familiar para os fãs de Elite: Mina El Hammani, que vive a muçulmana Nadia na ficção espanhola da concorrente do streaming. Dessa vez, a atriz passa de aluna para professora no internato Las Cumbres e traz em sua personagem um comportamento sensível e destaca-se por ter a personalidade mais humana entre todo o corpo docente e administrativo da instituição ao lado do padre Elías (Alberto Amarilla).

O elenco é repleto de rostos novos de jovens talentos (Imagem: Divulgação / Amazon Studios)

Desde o piloto, fica claro que Las Cumbres não é o lugar mais agradável de todos para se estudar, e quem dirá se viver. Vendido como um local para alunos que “não possuem nada de especial” e que foram literalmente jogados fora porque seus pais não os queriam, a atmosfera é o que realmente intriga aqui. Localizado próximo a um antigo mosteiro, no topo de uma montanha, o castelo obscuro pode ser facilmente comparado a uma Hogwarts macabra que logo no primeiro momento um grupo de alunos planejam sair correndo dali assim que possível.

Como se não bastasse, o primeiro episódio também traz algumas cenas chocantes para o público logo de início. Com um comportamento similar ao da diretora Trunchbull de Matilda, a equipe gestora do internato possui cruéis métodos de disciplina com os alunos, cujas advertências incluem raspar o cabelo das garotas apenas por mexerem em telefones celulares ou trancar rapazes num calabouço escuro e frio durante a noite, chamado pelos personagens de freezer.

Mina El Hammani deixa a estudante Nadia de Elite de lado para interpretar a professora Elvira na produção do Prime Video (Imagem: Divulgação / Amazon Studios)

É necessário admitir que algumas cenas da série podem ser difíceis de se digerir, principalmente quando se está acostumado a tramas mais leves ou até embalar a maratona de Elite ou Riverdale com Las Cumbres. Embora a produção espanhola possua um tom adolescente, com elenco jovem, triângulos amorosos, paquera, sexo e personagens fáceis de se apegar, os elementos de terror são bem trabalhados e introduzidos, mas que podem soar um pouco demais com quem não está tão acostumado com esse tom numa produção audiovisual.

Por outro lado, a série acaba fluindo bem para o espectador cumprir a maratona em poucas horas. Os episódios não são longos e a narrativa é bem desenvolvida de uma forma que o público não note o tempo passar, além de o final de cada um dos episódios deixar um gancho que torna praticamente inevitável assistir ao próximo. O cenário é pensado de uma forma que atraia a geração atual, com atmosferas, elementos e toda a direção de arte pensada nos mínimos detalhes para criar um ambiente com muito suspense e mistérios que vão se desencadeando conforme o desenrolar da história.

Com muito suspense, paixão e mistério, Las Cumbres é um must-watch para fãs de tramas adolescentes e terror (Imagem: Divulgação / Amazon Studios)

O Internato: Las Cumbres chegou recentemente ao Amazon Prime Video e conta com Asia Ortega, Mina El Hammani, Albert Salazar, Francisca Aronsson, Alberto Amarilla, Joel Bosqued, Claudia Riera e Ramiro Blas no elenco. A primeira temporada está disponível no streaming.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech: