terça-feira, março 2

Covid-19: alta em mortes faz secretários, governadores e prefeitos pedirem de toque de recolher até compra de vacinas

Vacina no Brasil, produção de vacina

SÃO PAULO – O Brasil já registrou 225.836 mortes pela Covid-19. A média móvel diária de mortes no país ficou em 1.223 nos últimos sete dias.

Foram três recordes seguidos de média móvel diária de mortes, de sábado (27) até segunda-feira (1º). A variação é de +16% em comparação com a média móvel diária de mortes vista 14 dias atrás. Temos 40 dias seguidos com média móvel de mortes acima de 1 mil.

Já em número de casos, a média móvel diária nos últimos sete dias foi de 56.011 novos diagnósticos. É uma variação de +23% em relação aos casos registrados há duas semanas.

Esses dados foram divulgados na noite de segunda-feira (2) por um consórcio de veículos de imprensa, com base em dados das secretarias estaduais de Saúde.

A tendência de alta em mortes e em casos, que não era vista desde 21 de janeiro, motivou que esses secretários pedissem medidas como um toque de recolher nacional e fechamento de bares, escolas e praias.

Governadores e prefeitos também estão se movendo: medidas de isolamento social foram decretadas nos estados, enquanto a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) lidera um consórcio para compra de vacinas contra a Covid-19.

Secretários de Saúde pedem toque de recolher nacional

Na segunda-feira (1º), o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) divulgou uma carta aberta à nação pedindo maior rigor nas medidas de restrição de atividades não essenciais.

Segundo a Agência Brasil, o Conass pediu a restrição total de circulação nas regiões onde a ocupação de leitos estiver acima de 85% e houver tendência de elevação no número de casos e mortes por Covid-19.

O conselho também defendeu a suspensão de aulas presenciais; a proibição de eventos presenciais como shows, congressos, atividades religiosas, esportivas e similares em todo o país; o fechamento de bares e praias; e um toque de recolher nacional de segunda-feira a sexta-feira, das 20h às 6h, e durante todos os finais de semana.

O conselho pede o “reconhecimento legal do estado de emergência sanitária” e a viabilização de recursos extraordinários para o Sistema Único de Saúde (SUS), além da implementação de um plano nacional de comunicação, para reforçar a importância das medidas de prevenção.

Todas as medidas devem ser acompanhadas da adoção de trabalho remoto e do aumento da testagem contra a Covid-19, escreve o Conass.

“Entendemos que o conjunto de medidas propostas somente poderá ser executado pelos governadores e prefeitos se for estabelecido no Brasil um ‘Pacto Nacional pela Vida’, que reúna todos os poderes – a sociedade civil, representantes da indústria e do comércio, das grandes instituições religiosas e acadêmicas do país – mediante explícita autorização e determinação legislativa do Congresso Nacional”, finaliza a carta.

Prefeitos assumem compra de vacinas contra Covid-19

Segundo os dados divulgados pelo consórcio de veículos de imprensa na segunda-feira, 6.770.596 pessoas receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19. O número equivale a 3,2% da população brasileira.

Governadores decretaram novas medidas de isolamento por todo o país. O estado de São Paulo, por exemplo, vê recorde de internações e de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e estuda ações mais restritivas à circulação.

Algumas regiões do estado já estão na Fase Vermelha do Plano São Paulo, atualmente a mais restritiva. Ela prevê manter em funcionamento apenas serviços considerados essenciais, como farmácias, mercados, padarias, açougues, postos de combustíveis e hospitais.

Já os prefeitos estão criando um consórcio para a compra de vacinas contra a Covid-19. A ideia é que os recursos para a compra venham do próprio governo federal, mas não está descartado o apoio de organismos internacionais e da iniciativa privada, de acordo com o site de notícias G1.

O interesse está em qualquer vacina que possua aprovação da Anvisa ou de organismos internacionais, mesmo que o imunizante não esteja no escopo do Ministério da Saúde.

É o caso da vacina contra Covid-19 dos laboratórios Pfizer e BioNTech. O imunizante teve seu registro definitivo aprovado pela Anvisa, mas negociações com o governo federal não avançaram.

Leia mais
SP poderá comprar doses de outras vacinas além da CoronaVac, diz Doria

O consórcio teve 100 manifestações de interesse em seu primeiro dia. O movimento é liderado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP). Os municípios devem fazer a adesão até sexta-feira (5).

A previsão é que a associação seja constituída legalmente até 22 de março, para então adquirir imunizantes contra a Covid-19.

Jonas Donizette, presidente da FNP, destacou ao G1 que “a orientação diante do cenário iminente de colapso da saúde é de que os prefeitos lancem mão de todos os instrumentos que têm para evitar a situação dramática de ter de escolher entre quem vai viver ou morrer”.

“Temos a palavra do ministro [da Saúde, Eduardo Pazuello] de que não faltaria dinheiro para a compra de vacinas. Se conseguirmos os recursos do governo federal, todas vão para o Programa Nacional de Imunização (PNI). Se não, os municípios que entrarem com cota de participação receberão doses proporcionais ao investimento que fizeram”, disse Donizette.

O presidente da FNP lembrou que, em caso de falha do PNI, municípios podem adquirir as doses e receber reembolso do governo federal.

Congresso conversará com governadores

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, vai se reunir com governadores nesta terça-feira, no horário do almoço. Segundo o G1, o encontro tratará do combate à pandemia.

Em curso gratuito, analista Pamela Semezzato explica como conseguiu extrair da Bolsa em um mês o que ganhava em um ano em seu antigo emprego. Deixe seu e-mail para assistir de graça.

The post Covid-19: alta em mortes faz secretários, governadores e prefeitos pedirem de toque de recolher até compra de vacinas appeared first on InfoMoney.