sábado, março 6

Como montar uma carteira de Investimentos?

Encontrar uma alocação de ativos ótima entre diversos tipos de investimento é fundamental para o sucesso nos investimentos. A alocação de ativos é um dos principais fatores que determinam o rendimento de qualquer carteira de investimentos, especialmente no longo prazo.

O problema é escolher, já que as possibilidades são muitas: Renda Fixa, Ações, BDRs ou Ações Estrangeiras, Fundos Imobiliários (FII´s), Ouro, Dólar etc. A princípio pode parecer complicado, mas a verdade é que é muito mais simples do que parece saber onde investir.

 

O que é essa alocação de ativos? É encontrar o mix ótimo entre diferentes modalidades de investimento que possibilite alcançar um objetivo determinado, num período de tempo estipulado e com risco compatível ao seu perfil de investidor. “As pessoas sempre procuram uma fórmula mágica de alocação de ativos.  Mas ela não existe!”, afirma Lima.

Entretanto, ele esclarece que existem três princípios que podem te ajudar a pensar a alocação entre classes de ativos.

São eles:

  1. Seus objetivos de curto, médio e longo prazos
  2. Sua tolerância ao risco
  3. A maneira como você divide seu portfólio entre as classes de ativos é a primeira coisa que você deve considerar ao se preparar para realizar os investimentos, porque tem o maior efeito na maneira como seu portfólio irá agir

Bruno Lima também é professor da EXAME Academy, onde ensina qualquer um a investir na bolsa.
Conheça o curso IniciAção.

Em suma, Lima esclarece que não existem alocações “boas” ou “ruins” – cada um precisa encontrar a mais adequada com base em sua própria situação. Se é mais conservador ou não, quais são seus objetivos (comprar um carro, aposentadoria, faculdade dos filhos etc.).

A dica de Lima para o investidor iniciante é que ele responda às seguintes perguntas no momento de começar a montar sua carteira:

  1. Objetivos: crie objetivos claros (por exemplo: atingir R$1.000.000 de patrimônio em 10 anos). Isso vai deixar o caminho mais nítido
  2. Alinhe o horizonte de investimento à alocação
  3. Diversificação sempre
  4. Procure eduzir os custos (corretagem, taxas de admnistração de fundos etc.)
  5. Disciplina e foco no longo prazo