Press "Enter" to skip to content

Cassado, Witzel usa palanque da CPI para acertar contas com Bolsonaro

Por Márcio de Freitas*

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia convocou o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel para depor sobre as irregularidades no combate à covid-19. E ele o fez nesta quarta-feira mesmo após conseguir autorização do Supremo para não comparecer, pois é investigado. Witzel foi cassado após denúncias de desvio de recursos durante as ações para socorrer a população fluminense.

Com falas eminentemente políticas, o ex-governador aproveitou o palanque nacional para tentar fazer um acerto de contas com o presidente Jair Bolsonaro, a quem responsabilizou por sua queda. Se disse injustiçado, mas não apresentou documentos provando as teses que sustentou diante dos senadores – e pediu uma sessão secreta. Foi questionado fortemente pelo senador Flávio Bolsonaro, que subiu o tom para se contrapor e defender o governo do pai.

A guerra de nervos serve à oposição para fomentar o terreno das teorias conspiratórias e disseminar conteúdo de comprovação incerta para a plateia. Muito do que foi falado nesta quarta sequer pode ser investigado pela CPI. É a típica audiência provocadora.

A intenção política mantém certa tensão no ar e obriga a mobilização da base governista a montar uma linha de defesa, até porque Witzel governou o Rio após ser eleito em chapa com o senador Flávio, na onda Bolsonaro.

Note-se que o Rio de Janeiro é fundamental para o projeto eleitoral de 2022. Trazer as questões da base do presidente à baila na CPI funciona como elemento de desgaste para a oposição usar contra Bolsonaro, com ganhos eleitorais futuros.

Depois de provocar, Witzel usou a licença do Supremo para se retirar no meio do depoimento. Ficou pela metade, como seu mandato de governador.

*Márcio de Freitas é analista político da FSB Comunicação

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Mission News Theme by Compete Themes.