Press "Enter" to skip to content

B2B or not 2B | Resumo semanal do mundo da tecnologia corporativa (14/9 a 18/9)

Bem-vindo ao nosso resumo semanal do mundo corporativo. Toda sexta-feira selecionamos as principais notícias que rolaram nos últimos dias para você ficar por dentro dos assuntos mais relevantes do momento. De estratégias de negócios até problemas judiciais, aqui você se atualiza em poucos minutos. Confira!

Power BI para Investidores

No centro da treta

Uma empresa registrada em Hong Kong – mas com atividades no Brasil – está no centro do processo criminal movido pelo governo dos EUA contra a Huawei e sua CFO, Meng Wanzhou. Ela também é filha do fundador da fabricante chinesa e está em prisão domiciliar em Vancouver, enquanto enfrenta um julgamento que pode extraditá-la para os Estados Unidos.

Segundo reportagem da agência de notícias Reuters, as autoridades americanas alegam que a Huawei usou uma empresa chamada Skycom Tech Co Ltd. para contornar as sanções econômicas americanas ao Irã entre 2007 e 2014. A Huawei, no entanto, afirma que vendeu o negócio em 2007 e nega qualquer delito.


Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

No entanto, a Reuters descobriu ligações não declaradas anteriormente no Brasil entre a Huawei e a Skycom. Os registros corporativos arquivados no estado de São Paulo mostram que as duas empresas estiveram intimamente interligadas no país por cinco anos, mesmo depois da Huawei vender suas ações na Skycom em 2007. Atualmente, Ken Hu e Guo Ping são vice-presidentes da fabricante chinesa e atuam em rodízio como presidente da empresa. Hoje, Guo tem o papel de presidente.

O início do fim

E eis que o enrosco pode estar chegando ao fim. A Oracle e uma série de investidores americanos, incluindo o Walmart, devem assumir a participação majoritária das operações do TikTok nos EUA. Agora, o negócio aguarda aprovação do presidente Donald Trump – e os envolvidos ainda precisam torcer para que o governo chinês não intervenha (saiba mais abaixo).

ByteDance (controladora do TikTok, Oracle e o Departamento do Tesouro dos EUA “concordaram provisoriamente” com os termos da oferta da Oracle pela rede social. O acordo dará aos investidores americanos uma participação majoritária no app. No entanto, até o momento, não está claro quanto a empresa de Larry Ellison ou o Walmart vão pagar por suas respectivas partes.

Analistas apontam que esta é a primeira vez que a ByteDance concorda em abrir mão de sua participação majoritária no TikTok, transferindo-a para investidores americanos. Pelos novos termos do acordo, os investidores americanos teriam, pelo menos, 60% das ações da TikTok. A Oracle deve ficar com 20% de participação e os investidores americanos do Walmart e da ByteDance, como os fundos Sequoia Capital e General Atlantic, formarão a maioria societária, que deve ficar com outros 40% a 50%. A ByteDance ficaria com 30% ou 40% restantes. O Walmart, que há algum tempo busca uma forma de ser proprietário da TikTok , também terá um assento no conselho global da TikTok, bem como um especialista em segurança. Este último presidirá um comitê de segurança que supervisionará a proteção dos dados do usuário.

Donas de tudo

Na última quarta-feira (16), Fábio Faria, ministro das Comunicações, afirmou que Magazine Luiza e Amazon estão entre as principais candidatas a adquirirem os Correios em um eventual processo de privatização. Além delas, empresas especializadas em logística estão disputa: a alemã DHL e a norte-americana FedEx.

Ainda segundo ministro, além das quatro empresas citadas há ainda uma quinta, mantida em sigilo (cogita-se que seja a chinesa Alibaba), um fator importante, “porque não teremos um processo de privatização vazio”.

O ministro das Comunicações declarou também que “as empresas interessadas em ocupar esse espaço [os Correios] sabem que têm o bônus e o ônus”. Além disso, ele afirmou que a estatal é uma “empresa saudável” – ainda que a diretoria da companhia afirme que ela registrou um prejuízo acumulado de R$ 2,4 bilhões. Para entender a complexidade da negociação, leia a matéria completa.

Desbancando geral

A força da Netflix em território brasileiro vem se mostrando cada vez maior não apenas em termos de audiência, mas também em faturamento. Isso porque um levantamento feito pela empresa de tecnologia financeira QR Capital indica que a receita da plataforma de streaming pode ultrapassar a da Globo até 2022. A informação foi divulgada pela seção Radar, no site da revista Veja.

A marca será atingida caso o ritmo de receitas da plataforma obtenha um crescimento anual próximo de 20% até o ano em questão. Para 2020, a QR Capital estima que a Netflix registre um faturamento anual de R$ 6,7 bilhões, contra R$ 9,7 bilhões da Globo.

Ultrapassando a Globo ou não, o fato é que a Netflix já é uma potência respeitável do mercado audiovisual brasileiro. A plataforma já fatura mais que Record, Band, SBT e RedeTV juntas, já que as mesmas faturam R$ 4 bilhões somadas.

Fim de uma era

A Sony anunciou no final da tarde desta segunda-feira (14) o fechamento de sua fábrica no Brasil e o encerramento das vendas de produtos como televisores, câmeras e equipamentos de áudio no país. A notícia cita o ambiente recente do mercado e as tendências esperadas para os negócios da companhia, além de movimentos internacionais da fabricante para fortalecer a estrutura e a sustentabilidade de seus negócios.

De acordo com o comunicado, a fábrica localizada em Manaus (AM) deixa de funcionar em março de 2021, com a comercialização dos produtos indicados acontecendo em algum momento posterior, mas ainda no ano que vem. Outros produtos continuam sendo ofertados no país por meio de distribuidores e importadores parceiros da Sony, assim como toda a oferta da empresa para o mercado de games. O mesmo também vale para outros segmentos, como os de soluções profissionais e distribuição de música e filmes.

A empresa também esclareceu que as operações de suporte, mesmo para os produtos cuja venda será interrompida, continuam de acordo com as políticas de suporte e leis nacionais. mudança não afeta o PlayStation 5, cujo lançamento está marcado para o final do ano no mercado internacional e ainda sem disponibilidade confirmada no Brasil. Assim como a operação com o PlayStation 4 por aqui, o console chega às nossas mãos por meio de importadores e distribuidores oficiais, em um trabalho que não deve sofrer alterações pelo fechamento da fábrica no Amazonas e o fim das vendas de outros aparelhos de consumo da Sony.

Em contato com o Canaltech, a Sony confirmou as informações sobre o encerramento das vendas de produtos para o consumidores e das atividades de sua planta em Manaus.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Mission News Theme by Compete Themes.