Press "Enter" to skip to content

Arezzo afirma que não fará nova oferta para combinação de negócios com a Cia. Hering

SÃO PAULO – A Arezzo (ARZZ3) informou ao mercado na manhã desta terça-feira (27) que não fará uma nova oferta para combinação de negócios com a Cia. Hering (HGTX3). A companhia  afirmou que “seguirá fiel à sua bem-sucedida estratégia de crescimento, orgânico e por aquisições, sempre observando a racionalidade e a defesa dos interesses de todos os seus acionistas”.

Em uma negociação relâmpago, o Grupo Soma (dono das marcas Animale e Farm) fechou na segunda-feira (26) um acordo para incorporar a Hering. O negócio avalia a centenária marca de confecções em R$ 5,1 bilhões, preço bem superior aos pouco mais de R$ 3 bilhões que a Arezzo havia oferecido em uma oferta considerada hostil pela companhia. O movimento animou as ações da Hering, que fecharam o dia em alta de 26%, a R$ 28,62 – um ganho de valor de mercado equivalente a R$ 965 milhões em um só dia.

O negócio esquenta de vez a disputa pela consolidação do varejo brasileiro, em que as empresas tentam correr para ganhar musculatura em um mercado cada vez mais acirrado. O acordo com a catarinense Hering coloca o Grupo Soma em novo patamar entre os varejistas nacionais, ainda que imponha um desafio financeiro em virtude do preço pago. A companhia, até aqui, se limitava à atuação no mercado premium. Agora, vai para o segmento de massa.

O valor pago pelo Grupo Soma avaliou o papel da Hering ficou em cerca de R$ 33, quando eram negociados na bolsa na última semana em torno de R$ 22. O valor de mercado da Hering na sexta-feira era de pouco menos de R$ 3,7 bilhões. O preço pago pela companhia está, portanto, 37% acima deste valor.

Diversas varejistas estão se movimentando para sair fora de sua zona de conforto e virar uma “consolidadora” do mercado. Segundo Marcos Gouvêa de Souza, fundador da consultoria Gouvêa, a situação do mercado exige pressa, pois a empresa que não se movimentar rápido corre o risco, lá na frente, de acabar adquirida por outra que se movimentou com antecedência.

Leia mais: Com compra da Hering, Soma se torna uma das 5 maiores empresas do setor de vestuário; veja lista

As conversas começaram depois da proposta da Arezzo. Segundo apurou a reportagem, a família não havia gostado da oferta (que considerou baixa), mas o movimento da calçadista foi suficiente para chamar a atenção de outros interessados. As negociações com a Soma foram relâmpago. Começaram na quinta-feira, e a rapidez surpreendeu até quem estava envolvido no negócio.

O grande objetivo da família Hering era conseguir a avaliação que a empresa chegou a ter antes de a pandemia de covid-19 causar uma desvalorização nos papéis da companhia, derrubando seu valor de mercado. Foi uma equação simples: o Soma chegou muito perto do que a Hering pedia, e as conversas andaram rápido, uma vez que havia forte disposição da família em vender. A negociação envolveu também ações, mas também um pagamento em dinheiro de R$ 1,5 bilhão.

Outra questão que pesou favoravelmente na proposta do Soma, em relação à da Arezzo, foi a aproximação. Enquanto a oferta da calçadista foi considerada por fontes de mercado como “quase hostil”, por embutir a noção de que o negócio estava decadente, o Soma soube valorizar o legado da Hering, tanto no preço quanto na condução das conversas. Os donos da Hering devem ter participação na gestão do novo grupo – pelo menos temporariamente.

(com Estadão Conteúdo)

Aprenda como ganhar dinheiro prevendo os movimentos dos grandes players. Na série gratuita Follow the Money, Wilson Neto, analista de investimentos da Clear, explica como funcionam as operações rápidas.

The post Arezzo afirma que não fará nova oferta para combinação de negócios com a Cia. Hering appeared first on InfoMoney.

Mission News Theme by Compete Themes.