Press "Enter" to skip to content

5 motivos para maratonar O Método Kominsky

No próximo domingo, dia 20 de setembro, acontece a 72ª edição do Emmy Awards, o prêmio mais importante da televisão, e uma das séries indicadas merece uma atenção especial. Estamos falando de O Método Kominsky, produção original da Netflix que estreou em 2018 trazendo Michael Douglas no protagonismo ao lado de Alan Arkin, que formam uma dupla de idosos que têm muita história para contar.

Power BI para Investidores

O Método Kominsky tem como foco o personagem Sandy Kominsky, ator e professor de atuação, e o seu agente Norman Newlander. Além da relação profissional, eles são grandes amigos e compartilham os momentos mais importantes da vida um com o outro, por mais que as demonstrações de afeto sejam reservadas e também haja desentendimentos.

A trama pode ser considerada um Grace and Frankie masculino, pois traz dois idosos que transformam em comédia as dificuldades de envelhecer, ao mesmo tempo que contam histórias inspiradoras. E para te convencer que O Método Kominsky merece a maratona, o Canaltech preparou uma lista com 5 motivos para você começar a assistir as duas temporadas agora mesmo.


Baixe nosso aplicativo para iOS e Android e acompanhe em seu smartphone as principais notícias de tecnologia em tempo real.

Imagem: Divulgação/Netflix

1. Aula de atuação

Sandy Kominsky é um ator que teve os seus tempos áureos em Hollywood, mas que agora na meia-idade tem dedicado grande parte da sua vida a ensinar atuação na sua própria escola, que tem o mesmo nome da série, enquanto tenta conseguir alguns papéis que se encaixam com essa fase da vida.

Mas as aulas não são apenas um mero detalhe, pois alguns ensinamentos são mostradas na série, com os alunos sendo personagens recorrentes nesse cenário. Quando isso acontece, não vemos ali Sandy Kominsky ensinando, mas sim Michael Douglas, prestes a completar 76 anos, mostrando como tem uma carreira de sucesso e como a conquistou com o seu talento.

Assistimos não só a grandes atuações nessas aulas, com os alunos escolhendo monólogos e cenas famosas de filmes para interpretar, como também os pitacos do professor, dicas e compartilhamento de experiências. Até mesmo aqueles jovens atores que estão interpretando alunos parecem estar aprendendo algo naquelas cenas.

Imagem: Divulgação/Netflix

2. Divagações da terceira idade

Envelhecer não é nada fácil, nem mesmo para ricos e famosos. Esse assunto é colocado em pauta constantemente em O Método Kominsky, seja trazendo problemas de saúde que surgem com o tempo e doenças graves que merecem atenção redobrada, ou ainda falando sobre relações familiares, erros e acertos do passado e suas consequências para o futuro.

Por se tratar de uma série de comédia, é claro que a temática é tratada com muito humor, principalmente quando saem de conversas de Sandy com Norman, que possuem personalidades diferentes que provocam algumas divergências, transformando os assuntos em diálogos que divertem e também trazem a reflexão.

Junto com a idade, também vem as perdas, sejam elas na carreira ou na vida pessoal com a morte de entes queridos. Os personagens falam constantemente sobre terem poucos anos de existência pela frente, mostrando um conformismo com as perdas que a vida começa a apresentar a cada vez mais. Mesmo assim, eles se permitem sofrer e encontrar formas de enfrentar o luto, cuidar da saúde e transformar os últimos anos de vida em algo agradável.

A trama também fala sobre relacionamentos amorosos na terceira idade, problemas sexuais, exames de próstata, aposentadoria, entre vários outros temas que começam a ser discutidos pelos homens apenas quando a idade está chegando.

Imagem: Divulgação/Netflix

3. Criada por Chuck Lorre

O Método Kominsky foi criada por Chuck Lorre, criador, produtor-executivo e roteirista de séries que já recebeu vários prêmios por suas obras. Em seu currículo estão tramas de sucesso como Roseanne, dos anos 1990, Two and a Half Men, dos anos 2000, Mike & Molly, Mom, The Big Bang Theory, O Jovem Sheldon, entre várias outras produções antigas e atuais.

Mesmo com tantas indicações e vitórias no currículo, o produtor está bem orgulhoso pela indicação de O Método Kominsky ao Emmy deste ano. “É um incrível momento de gratidão nesses dias escuros. Eu fiquei encantado, fiquei realmente feliz, é maravilhoso ser reconhecido pelo trabalho. Vem sendo um trabalho de amor, é muito pessoal e significa muito para mim”, contou Lorre ao site Deadline.

Chuck Lorre diz ainda que escrever a série foi algo completamente novo para ele, que está acostumado a produzir sitcons com plateia, e que aprendeu com isso. Ele conta que agora se sente mais seguro em criar momentos que não são necessariamente uma piada, e que mesmo que não haja um público assistindo às gravações sente como se eles estivessem lá.

Imagem: Divulgação/Netflix

4. Grande elenco

O elenco de O Método Kominsky conta com grandes atores, sejam eles personagens recorrentes ou participações especiais. A carreira de Michael Douglas, filho do também ator Kirk Douglas, que nos deixou esse ano, é cheia de sucessos. O ator participou de clássicos como Instinto Selvagem, Atração Fatal, Um Dia de Fúria, entre muitos outros, estando consagrado em Hollywood há muito tempo.

Seu colega de série, Alan Arkin, tem em seu currículo os filmes Edward Mãos de Tesoura, Pequena Miss Sunshine, Argo, entre muitos outros. A trama traz ainda participações de Danny DeVito, Jay Leno, Bob Odenkirk, Haley Joel Osment, Jane Seymour, Allison Janney, Emily Osment, Susan Sullivan, entre muitos outros que você já deve ter visto em outros filmes e séries de Hollywood.

5. Curta e prática

Por fim, O Método Kominsky é uma série que conta com apenas duas temporadas de 8 episódios cada, cada um deles com menos de meia hora de duração. A trama é divertida, traz reflexões e pode ser maratonada em pouco tempo, inclusive até mesmo antes do Emmy.

Confira o trailer:

 

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Mission News Theme by Compete Themes.